30maio/17

Os efeitos negativos da asma na economia

Pode-se afirmar que 2 a 3 em cada 10 brasileiros têm sintomas de asma. Por ser uma doença crônica relativamente comum, seus efeitos ainda são bastante subvalorizados.

Muito se fala sobre a influência negativa da doença na vida dos asmáticos, e estudos recentes apontam para outro fator muito importante: como a asma impacta direta e indiretamente a economia.

Segundo pesquisa do IBOPE, realizada no Brasil, 72% dos entrevistados com asma disseram que a doença prejudica suas atividades cotidianas, como trabalho e escola.

Nos EUA não é diferente. Lá, existem 6,5 milhões de crianças com asma e cerca de meio milhão de hospitalizações por ano. Ao todo, estima-se que são gastos 13 bilhões de dólares com a asma todos os anos. Continue reading

26abr/17

Asma -Diagnóstico Errado pode Matar

Asma: por que ainda diagnosticamos errado?

Apesar de ser muito comum, a asma ainda é confundida com outras doenças respiratórias e cardíacas. Alguns sintomas como falta de ar, tosse seca e chiados são comuns nessas doenças e também na asma.

Nas crianças, por exemplo, são muito recorrentes as bronquiolites causadas por vírus e aspiração de corpos estranhos (balas, pedaços de caneta, partes de brinquedo). A má formação do pulmão e do coração também pode confundir o diagnóstico. Continue reading

11jan/17

Free asthma medications reduces hospital admissions in Brazil (Free asthma drugs reduces hospitalizations in Brazil)

Fornecimento de medicações gratuitas para asma apresentou impacto relevante na redução do número de hospitalizações por asma

Recentemente, foi publicado no periódico Respiratory Medicine, o artigo intitulado Free asthma medications reduces hospital admissions in Brazil. O estudo, liderado pelos professores Paulo Pitrez e Leonardo Pinto, do Centro Infant da PUCRS, avaliou o impacto do fornecimento de medicamentos gratuitos pelo programa Farmácia Popular (beclometasona e salbutamol) sobre o risco de hospitalização por asma no Brasil.

Utilizando a base de dados nacional do DATASUS, foram comparadas as taxas de hospitalizações por asma, antes e após o fornecimento gratuito desses medicamentos (iniciado em 2011). As taxas de hospitalização por asma foram significativamente reduzidas, de 90.0/100.000 (período 2008-2010) para 59.8/100.000 (período 2012-2014). Por outro lado, as taxas de hospitalização por causas não-respiratórias permaneceram estáveis, quando ambos os períodos também foram comparados. Continue reading